To access all features and enjoy the full functionality of this site, please ensure your browser is up-to-date. For IE8 users, the most recent version is IE11.

Técnicas de Exame

Administrando a Qualidade do Filme Lacrimal de Pacientes

Publicado em 21 Maio, 2018
10 Minutos para Ler
Administrando a qualidade do filme lacrimal de pacientes

O que você precisa saber

Visualização de lâmpada de fenda

  1. Baixa intensidade de luz
    Alta ampliação (25-40x)
    Iluminação focal direta

Utilize fluoresceína para medir o tempo de ruptura lacrimal (TBUT)

Graduação

Grau 0: Amorfo/Mármore
Grau 1: Filme lacrimal manchado
Grau 2: Lipídio
Grau 3: Lipídio em excesso, espuma lacrimal
Grau 4: Sem camada lipídica

Avaliação do filme lacrimal

Questionários - como:

  • Questionário Padronizado de Avaliação do Paciente para Secura Ocular (SPEED)
  • Índice de Doenças da Superfície Ocular (OSDI)
  • Questionário de Olho Seco para Lentes de Contato (CLDEQ)
  • CLDEQ-8
  • Índice do Olho Seco de McMonnies
  • Questionário de Olho Seco (DEQ)
  • Invasivo, com fluoresceína, e tempo de ruptura não invasivo (NIBUT)
  • Outros instrumentos - Analisador de lágrima, ceratomêtro, LipiView® 

Etiologia

  • Variação na química da lágrima individual (padrão do ritmo de piscar, filme lacrimal, fisiologia ocular, tratamento médico, idade, dieta)
  • Redução na camada lipídica causa problemas marginais de olho seco e contaminação da lente
  • Doença da margem palpebral
  • Lente de contato (material, design, cronograma de utilização, rotina de cuidados)
  • Contaminação por cosméticos, sabão
  • Ambiente

Sintomas

  • Sintomas de ressecamento, incluindo desconforto, granulação e irritação
  • Visão embaçada ou variável

Recomendações ao paciente

Sinais

  • Baixo tempo de ruptura lacrimal (TBUT) pré-ocular, composição lacrimal fraca
  • Camada lipídica fina (ou ausente) de filme lacrimal ou excesso de lipídeo (detritos no filme lacrimal)
  • Disfunção da glândula meibomiana, blefarite (vide imagem D abaixo)
  • Hiperemia conjuntival bulbar
  • Erosões epiteliais pontuais superficiais
  • Coloração conjuntival bulbar
  • Molhabilidade reduzida, lente depositada (vide imagem E abaixo)
  • Alta osmolaridade da lágrima (> 316 mOsmol/L)
  • Lacrimejamento reduzido
(D) Blefarite
(E) Molhabilidade reduzida

Recomendações

  • Gerencie todos os graus se houver sinais ou sintomas - melhore a qualidade do filme lacrimal
  • Trate qualquer doença da margem palpebral - Higienização das pálpebras, compressas quentes, LipiView®
  • Considere o tipo de lente (design, material, modalidade, frequência de substituição e rotina de cuidados)
  • Mantenha uma boa limpeza da lente, incluindo a etapa de esfregar e enxaguar
  • Utilize gotas ou sprays contendo lipídio, agentes viscoelásticos ou lubrificantes durante a noite
  • Altere a dieta, mude de ambiente, mude de cosméticos, treine as piscadas
  • Recomende suplementos de ômega 3

Prognóstico

Bom, exceto por desequilíbrio fundamental do filme lacrimal (keratoconjunctivitis sicca)

Referência

Adaptado de um manual de Manejo de Lentes de Contato (3ª edição)